Editoração musical: a importância do layout da partitura

O layout é uma parte importante na composição da partitura e pode influenciar na qualidade da execução do intérprete, para o bem ou para o mal. Gould diz o seguinte sobre isso:

A importância de um bom layout em uma página de música não pode ser superestimada. Escolhas de layout apropriadas fazem da música um prazer de ler. Um layout inapropriado, tal como notação muito apertada ou muito espaçada, ou um pentagrama de tamanho muito grande ou muito pequeno, traz obstáculos desnecessários. (2011, p. 481)

O tamanho do papel deve condizer com a necessidade do músico que irá utilizar o material. Partituras corais costumam ter um tamanho menor porque os cantores as seguram nas mãos, enquanto que músicos de orquestra precisam de um papel maior pois estarão sentados a uma certa distância de onde estará a estante. Logo o tamanho A4 é o tamanho máximo que uma partitura coral pode ter e o tamanho mínimo de uma partitura orquestral (GOULD, 2011, p. 481). Pelo mesmo motivo, a orientação do papel deve ser retrato para facilitar as viradas de página (GOULD, 2011, p. 482).

As margens também são importantes e possuem várias funções. Visualmente, o espaço em branco proporcionado pelas margens cria uma sensação de conforto para os olhos. De forma prática, as margens proporcionam um espaço para segurar a partitura sem que os dedos escondam a música, permitem que as folhas sejam unidas por grampos ou outros meios (MILETA, 2013) e evitam que a música seja cortada na impressão ou fotocópia (GOULD, 2011, p. 481). Gould sugere que o tamanho mínimo para margens seja de 1,5cm.

A distância entre os sistemas precisa ser maior do que a distância entre os pentagramas que compõem o sistema para evitar confusão no momento de ler a partitura (GOULD, 2011, p. 488). Também é importante que haja um espaçamento suficiente entre os pentagramas para que o texto não se misture com os símbolos ou notas do pentagrama inferior (READ, 1980, p. 288; GOULD, 2011, p. 488).

O tamanho do pentagrama também varia de acordo com o objetivo da partitura. Para partes instrumentais, 7mm é a altura mínima que ele pode ter (GOULD, 2011, p. 483; MUSIC […], 2006, p. 7). Já para as partituras corais, 5,5mm é um bom tamanho (GOULD, 2011, p. 483).

Para se ter uma harmonia visual entre os símbolos rítmicos da partitura, deve-se levar em consideração a quantidade de compassos por sistema. Muitos compassos por sistema deixam as notas muito apertadas, poucos compassos deixam as notas muito espaçadas. No caso de partituras vocais com texto é importante levar em consideração também a quantidade e o tamanho das sílabas. Nas medidas e dimensões tratadas acima, quatro a cinco compassos por sistema, em compasso quaternário e com até duas colcheias por tempo, é uma boa referência.

Em um documentário sobre a publicação de música, um ex-funcionário de uma importante casa de edição musical da Inglaterra comenta sobre a visão que ele, um copista profissional, tinha em relação ao layout:

Eu fui ensinado há muitos anos atrás pelas pessoas que me treinaram que duas peças musicais nunca são iguais e cada uma é como um desenho. Não sendo músico este é o modo que eu vejo uma página de música, em relação ao layout e design. Você procura fazê-la parecer o mais limpa que puder, para o cantor, pianista, ou seja o instrumento que for. (WILSON, 2015)


Na próxima postagem vamos ver de modo geral a influência de alguns aspectos da notação musical em si.

GOULD, Elaine. Behind Bars: The Definitive Guide to Music Notation. Londres: Faber Music, 2011.
MILETA, Nicola. Setting Up, Types and Description of Page Margins. Magazine Designing. 2013. Disponível em: <http://www.magazinedesigning.com/setting-up-types-and-description-of-page-margins/>. Acesso em: 26 out. 2015.
READ, Gardner. Music Notation: A Manual of Modern Practice. 2 ed. New York: Taplinger Publishing Company, 1979.
Music Preparation Guidelines for Orchestral Music. Major Orchestra Librarians’ Association Publication Committee, 2006.
WILSON, Bev. Music Printing: Sibelius. Transcrição de entrevista concedida em documentário. The Open University. Disponível em: <http://podcast.open.ac.uk/oulearn/engineering-and-technology/podcast-ta212-music-printing#!6e410de3c1>. Acesso em: 27 out. 2015.

Deixe uma resposta